Poucos pontos de venda se cadastram para vender livros a bibliotecas

FBN estende o prazo até o dia 31 visando maior adesão de livreiros

Até hoje pela manhã, apenas 408 pontos de venda haviam se cadastrado para vender livros a bibliotecas públicas dentro do programa da Fundação Biblioteca Nacional (FBN) para renovar os acervos das mesmas. Há R$ 37 milhões destinados para esse iniciativa.

Este ano, a FBN implementou um sistema em que as bibliotecas públicas passam a poder adquirir exemplares diretamente de livreiros e de outros pontos de venda, como bancas de jornal. É diferente do que acontecia no passado, quando as editoras vendiam para os governos. Os títulos disponíveis no programa são aqueles que as editoras cadastrarem. A regra é que os exemplares custem até R$ 10. Todos os envolvidos no processo precisam se cadastrar.

Até agora, cerca de três mil bibliotecas e 10 mil títulos foram inscritos, mas a adesão dos pontos de venda está bem abaixo do esperado. Tendo em vista o universo de aproximadamente 3.500 livrarias existentes no país, o cadastro de pouco mais de 400 representa apenas 12% do total. Grandes redes de livrarias como Saraiva, Cultura e Curitibas, por exemplo, não se cadastraram. A adesão também é baixa entre os pequenos e médios comerciantes.

Para tentar conseguir mais participantes, a FBN estendeu o prazo de cadastramento para o dia 31 deste mês (dezembro) – originalmente, o prazo terminava ontem.

Segundo Ednilson Xavier, presidente da Associação Nacional de Livrarias (ANL), a entidade apoia “totalmente o programa”, mas existem alguns motivos que podem explicar o baixo número de inscrições. Um deles é o desinteresse por parte dos livreiros, visto que a venda para bibliotecas não deverá ter muita relevância financeira, do ponto de vista das receitas e, especialmente, das margens de lucro.

Outro motivo eram dúvidas relacionadas à possibilidade de participar do programa, por parte de livreiros que têm alguma inadimplência fiscal ou com as editoras. Segundo Xavier, mesmo quem não está com as contas em dia com o governo pode participar. “Já quem tem alguma pendência com as editoras, é questão de ter jogo de cintura e negociar”, afirma. A entidade participou das audiências públicas realizadas pela FBN para esclarecer dúvidas de seus associados.

“O mercado editorial e livreiro tem que encarar esse programa como uma causa em prol da leitura”, diz Xavier. “O livreiro sabe que vai ganhar pouco, mas vai estar contribuindo para a formação de novos leitores. ” Segundo ele, a ANL está conclamando seus associados para se cadastrarem.

 

Fonte: PublishNews

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s