Para se embriagar de palavras – Parte 3

7. Hotel Monteleone (Nova Orleans)

Só para ilustrar a relação do Hotel Monteleone com grandes escritores, o bar-hospedaria foi designado pelos Amigos da Associação das Bibliotecas como marco oficial da literatura em 1999. Como tudo em Nova Orleans e especialmente do tradicional bairro francês da cidade, o hotel é abarrotado de histórias, tendo relatos sobre as estadias de Tennesee Willians, William Faulkner, Eudora Welty e Ernest Hemingway (porque lá obviamente havia bebida). Sem dúvida uma das histórias mais impressionantes é a do repórter e escritor Truman Capote, que afirmava ter nascido num quarto do Monteleone (embora o hotel negasse, a mãe de Capote realmente morava no hotel quando estava grávida do futuro autor de Bonequinha de Luxo, Os Cães Ladram e A Sangue Frio).

hotel monteleone

 

8. Antico Caffè Greco (Roma, Itália)

Não contente em ser o bar mais antigo de Roma (e o segundo mais antigo da Itália), o Antico foi fundado em 1760 e deve sua fama, que viria a trazer muitos clientes literatos para o bar, a Shelley (autor do genial soneto inglês Ozymandias) e seus colegas do período romântico britânico, como Lord Byron e John Keats, que costumavam passar tardes trocando manuscritos, rimando e conversando enquanto bebiam os cappuccinos do lugar. Além de uma das mais ricas gerações da literatura inglesa, o lugar já recebeu a filósofa e ensaísta espanhola, María Zambrano, o dramaturgo e poeta noruguês, Henrik Ibsen, o autor de fábulas dinamarquês, Hans Christian Andersen, e, voltando à Inglaterra, o escritor Charles Dickens (autor de Oliver Twist e David Cooperfield). A atmosfera intelectual do Antico Caffè persiste até hoje e o lugar continua sendo frequentado por algumas das mais afiadas mentes da Europa.

Antico

 

9.  Kennedy’s (Dublin, Irlanda)

Quando um bar tem literatura no DNA, não dá pra querer impedir essa herança de se manifestar. A relação do Kennedy’s com escritores é tão profunda, que antes mesmo de ser um bar frequentado por escritores, quando o lugar ainda era um mercadinho, um certo Oscar Wilde trabalhou lá como repositor de prateleiras. A influência do autor de O Retrato de Dorian Gray era tanta que quando se tornou um pub, o lugar virou um dos pontos de encontro dos dois amigos James Joyce (Ulisses, Finnegans Wake, Retrato do Artista Quando Jovem) e Samuel Beckett (vencedor do Nobel de Literatura em 1969).

Kennedy's

fonte: Buzz feed

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s