GÊNERO: Uma Perspectiva Global

GENEROCAPA baixa-500x500

Como podemos compreender o gênero no mundo contemporâneo? Que diferenças psicológicas existem hoje entre mulheres e homens? Como as masculinidades e feminilidades são produzidas? E qual a relação entre as questões de gênero e preocupações globalizadas como a mudança ambiental e a reestruturação econômica?
Raewyn Connell, uma das acadêmicas mais importantes do mundo nesse campo, aqui se junta com Rebecca Pearse para responder essas e outras questões. O livro oferece uma introdução acessível aos estudos modernos de gênero, cobrindo pesquisas empíricas de todas as partes do mundo, além de teoria e política. Assim como introduz o campo, as autoras fornecem um poderoso arcabouço contemporâneo para a análise do tema, com atenção especial forte às questões globais, destacando o caráter multidimensional das relações, as pontes entre a vida pessoal a estruturas organizacionais de larga escala, e apontam como as políticas de gênero se transformam em situações de mudança. Gênero é uma produção acadêmica engajada que se move da experiência pessoal em direção a problemas globais, oferecendo uma perspectiva única sobre as questões de gênero da atualidade.

Saiba mais:

O entretenimento trans

‘Orange Is the New Black’

1
A série da Netflix que retrata o dia a dia de um presídio feminino nos Estados Unidos tem como protagonista Piper Chapman (Taylor Schilling), mas dá bastante atenção aos dramas e histórias de outras personagens, como a da transgênero Sophia Burset (Laverne Cox). Nascida como Marcus, casou-se com Crystal e teve um filho com ela, Michael, que nunca aceitou ter um pai transgênero. Sophia foi presa por roubar cartões de crédito para fazer a sua cirurgia de mudança de sexo, após ser denunciada pelo próprio filho. Laverne Cox se tornou o primeiro transgênero a ser indicado a um prêmio no Emmy, o Oscar da televisão americana, em 2014. As três primeiras temporadas da série estão disponíveis no serviço de streaming.

‘I Am Cait’

2

Documentário dividido em oito partes, vai mostrar o processo de transição de gênero de Caitlyn Jenner, ex-Bruce Jenner, que ficou conhecido como campeão olímpico e como padrasto da socialite Kim Kardashian. Caitlyn assumiu ser transgênero em uma entrevista à jornalista Diane Sawyer, no programa 20/20, do canal americano ABC News – e o programa bateu recorde de audiência, com 17 milhões de pessoas na plateia. Em I Am Cait, ela é mostrada se apresentando pela primeira vez como mulher à mãe, à filha Kylie Jenner e ao casal Kim Kardashian e Kanye West, se maquiando e conhecendo outras mulheres trans. O documentário começará a ser exibido no Brasil no dia 2 de agosto, às 23 horas, no canal pago E!.

‘Transparent’

3

Série produzida para o serviço de streaming da Amazon, Transparent conta a história de Maura Pfefferman (Jeffrey Tambor), que toma coragem para se assumir como transgênero quando já está aposentada, divorciada e seus filhos já saíram de casa. Nascida como Mort, percebeu que não se identificava com o gênero masculino desde cedo, mas nunca conseguiu revelar isso a ninguém. Nos primeiros episódios do seriado, Maura vai contando a verdade a seus três filhos, Sarah, Ali e Josh. A série venceu dois Globos de Ouro em 2015, melhor série cômica ou musical e melhor ator de série cômica ou musical para Jeffrey Tambor. Também foi indicada a seis categorias no Emmy 2015, incluindo melhor série cômica e melhor ator em série cômica. A primeira temporada do seriado só está disponível no Amazon Prime, serviço de streaming que ainda não pode ser acessado no Brasil.

‘Sense8’

4

Série criada, escrita e produzida pelos irmãos Andy e Lana Wachowski e por J. Michael Straczynski para a Netflix, conta a história de oito pessoas espalhadas pelo mundo, mas ligadas mentalmente. Uma delas, Nomi Marks (interpretada pela atriz transgênero Jamie Clayton), é uma hacker e blogueira transgênero que namora Amanita e tem um relacionamento difícil com sua família, principalmente com a mãe, que insiste em chamá-la pelo nome de Michael. A inclusão de uma personagem trans na série pode estar diretamente relacionada à vida de uma de suas criadoras, Lana Wachowski. Nascida como Larry, ela se assumiu como mulher transgênero em 2012. A primeira temporada pode ser vista na Netflix.

‘All That Jazz’

5

Documentário dividido em onze partes, vai mostrar o dia a dia de Jazz Jennings, adolescente de 14 anos que se descobriu transgênero ainda criança, quando preferia roupas e brinquedos usualmente associados ao gênero feminino. Recebeu o apoio da família para fazer a transição quando começou a estudar em uma nova escola – já que ninguém a conhecia, seria mais fácil apresentá-la como a garotinha Jazz. Ela conta parte de sua trajetória em vídeos publicados em um canal do YouTube que tem mais de 111.000 assinantes e mais de 5 milhões de visualizações, mas decidiu dividir sua história também na TV. All That Jazz será transmitido no Brasil pelo canal pago TLC ainda em 2015.

‘Becoming Us’

6
Mistura de reality show e documentário, mostra a reviravolta na vida de um casal adolescente, Ben e Danielle, cujos pais decidem fazer a transição para o gênero feminino. O foco de Becoming Us, ao contrário da maior parte das produções recentes sobre trans, não está nas pessoas que estão trocando de gênero, e sim em seus filhos – em uma das cenas, Ben é levado pelo pai, que passou a se apresentar como Carly, para comprar sutiãs em uma loja e diz que achou a situação muito estranha. A série, que estreou no começo de junho nos Estados Unidos no canal ABC, ainda não tem data de estreia no Brasil, mas seus episódios podem ser comprados na AppleTV e no iTunes.

‘Glee’

7
Série que ficou no ar por seis anos, entre 2009 e 2015, e sempre primou pela inclusão de minorias e pelo debate sobre assuntos espinhosos para programas adolescentes, como racismo, bullying e sexualidade, Glee retratou a transição de gênero de um dos professores do McKinley High School: na última temporada, Shannon Beiste (Dot Jones) decide fazer a transição de mulher para homem, adotando o nome Sheldon. A decisão ganhou apoio de uma das alunas da escola, a garota transgênero Unique Adams (Alex Newell). No Brasil, Glee é exibida pelo canal pago Fox.

‘This Is Me’

alx_zackary-drucker_original
Produzido por Jill Soloway, criadora da série Transparent, o documentário da Amazon trata do universo transgênero a partir do depoimento de atores como D’Lo (da série da HBO Looking), Maya Jafer (do filme Mohammed to Maya), Valerie Spencer (do filme Beautiful Daughters) e Lily Rubenstein (também de Looking). Cada episódio tem foco em um tema específico do mundo trans, como o emprego de linguagem neutra e não-preconceituosa e o uso de banheiros públicos. A série é dirigida pelo transgênero Rhys Ernst, que atuou como produtor associado e consultor em Transparent.

‘Uma Nova Amiga’

8
Filme dirigido por François Ozon (de Swimming Pool – À Beira da Piscina), conta a história de Claire (Anaïs Demoustier) e David (Romain Duris), dois quase estranhos que se aproximam a partir da morte de Laura (Isild Le Besco), mulher dele e melhor amiga dela. Claire vai à casa de David poucos dias após o enterro de Laura para oferecer ajuda ao viúvo – e o encontra vestido como mulher, com peruca e salto alto. O longa chegou aos cinemas brasileiros em 16 de julho.

‘Boy Meets Girl’

9
Comédia romântica dirigida por Eric Schaeffer (de Lado a Lado com o Amor), retrata a vida de Ricky (Michelle Hendley), jovem que fez a transição para o gênero feminino e cujo único amigo verdadeiro é o mecânico Robby (Michael Welch). Ela trabalha como atendente em um café do Estado americano de Kentucky e alimenta o sonho de economizar para estudar e se tornar estilista em Nova York. O dia a dia pacato de Ricky é transformado com a chegada de Francesca (Alexandra Turshen) no lugar onde ela trabalha: as duas se tornam amigas e depois se apaixonam. É aí que a confusão começa, já que nenhuma delas havia se relacionado com uma mulher antes e Francesca está noiva de um militar que se encontra no Afeganistão. O filme foi exibido no Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade, em São Paulo, em novembro do ano passado, mas não tem data de estreia no circuito comercial.

‘Tangerine’

10

Filmado com um iPhone 5s pelo cineasta Sean Baker (de Uma Estranha Amizade), o filme foi exibido no prestigiado Festival de Sundance em janeiro deste ano e bastante elogiado, tanto por sua técnica quanto por sua história. O longa tem como protagonista Sin-Dee (Kitana Kiki Rodriguez), uma transgênero que descobre que seu namorado e cafetão a traiu no período em que ela ficou presa com uma mulher cisgênero (que se identifica com o gênero que lhe foi atribuído no nascimento). Com a ajuda de sua amiga Alexandra (Mya Taylor), também prostituta trans, ela parte em busca do ex pelas ruas de Los Angeles em plena véspera de Natal. O filme ainda não tem previsão de estreia no Brasil.

‘The Danish Girl’

11

Filme dirigido por Tom Hooper (de O Discurso do Rei e Os Miseráveis), conta a história da dinamarquesa Lili Elbe (Eddie Redmayne), artista plástica que nasceu como o homem Einar Wegener e que foi uma das primeiras pessoas a passar por uma cirurgia de redesignação de sexo, na década de 1930. Wegener nasceu em 1882 e se casou com a também artista Gerta Gottlieb em 1904, quando passou a se vestir como mulher para posar para a esposa. Lili Elbe morreu em 1931, ao passar por uma cirurgia de transplante de útero e seu corpo rejeitar o órgão. O longa estreia em 27 de novembro nos Estados Unidos e ainda não tem previsão de chegada aos cinemas brasileiros.

Fonte: http://goo.gl/M9L72n

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s