Arnaldo Antunes: o Canibal Devora o Mundo

Lançamento da nVersos, Arnaldo Canibal Antunes, analisa a obra do artista como devorador de culturas

É por meio da palavra que eu transito entre as linguagens. Ela é uma espécie de intersecção.
– Arnaldo Antunes

Arnaldo Antunes é reconhecido pela sua música singular e talento em diversos campos artísticos como compositor, músico, escritor e artista visual. O livro Arnaldo Canibal Antunes, publicação da Editora nVersos, apresenta um novo Arnaldo. A obra, de autoria da Doutora em Literatura, Alessandra Santos, analisa a ligação do artista com o movimento modernista do século XX.
Quando Oswald de Andrade escreveu o Manifesto Antropófago, em 1928, pensava no canibalismo cultural como uma “devoração metafórica” de elementos estrangeiros para produzir uma síntese brasileira. Para Alessandra, não há antropófago maior nos dias de hoje do que Arnaldo Antunes.
A pesquisadora abre o livro com uma pincelada na história das vanguardas e do movimento modernista no Brasil, necessário para chegar até a obra de Arnaldo e explicar suas influências.
Dividida entre Arnaldo Antunes e a Poesia: poética da percepção; Arnaldo Antunes e a Música: poética da Bricolagem; e Arnaldo Antunes e as Artes Visuais: poética da apropriação, a análise da obra do canibal mostra que ela é “viva e alerta, lúcida como somente os vanguardistas foram (…). Arnaldo é inovador e corre riscos artísticos que poucos ousam, sempre almejando uma utopia”.
Alessandra propõe que a obra do músico reinventa e dialoga com o movimento antropofágico, tão importante para a cultura brasileira que, nas palavras da presidente Dilma Rousseff, “é a nossa capacidade de absorver o que tem de universal em todas as culturas e metabolizar no particular”.

Arnaldo Canibal Antunes

Sobre a autora

Alessandra Santos formou-se em Literatura Comparada na Universidade da Califórnia, em Berkeley, e é Doutora em Literatura pela Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). Atualmente ela é professora de Letras na Universidade da Colúmbia Britânica, Canadá, já publicou vários artigos em diversos livros e revistas, e é também artista e tradutora. Organizou um livro sobre a utopia na América Latina com Kim Beauchesne (The Utopian Impulse in Latin America, 2011).

Anúncios

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s